Foto: Joana Bourgard

Bioblitz desafia-o a registar todas as plantas que encontrar neste fim-de-semana

Junte-se à Sociedade Portuguesa de Botânica e ao BioDiversity4All – Biodiversidade para Todos e registe todas as plantas que encontrar neste fim-de-semana. O IV Bioblitz Flora de Portugal é um dos eventos que Portugal organiza para celebrar o Dia Internacional do Fascínio das Plantas, a 18 de Maio.

Neste bioblitz (inventariação-relâmpago), os cidadãos são convidados a registarem todas as plantas que encontrem ao seu redor na plataforma iNaturalist/Biodiversity4all, nos dias 17, 18 e 19 de Maio.

“Todos podem participar (desde leigos a especialistas)”, explicam os organizadores da iniciativa que já se realiza pelo quarto ano.

Na edição anterior, que aconteceu de 19 a 21 de Maio de 2023, participaram cerca de 340 pessoas que registaram um total de 1.286 espécies de plantas.

Estas foram as cinco espécies mais observadas:

1º Cardo-dos-picos (Galactites tomentosus):

Foto: Ana Júlia Pereira/FloraOn

2º Tripa-de-ovelha (Andryala integrifolia): 

Foto: Miguel Porto/FloraOn

3º Cenoura-brava (Daucus carota):

Foto: Miguel Porto/FloraOn

4º Roselha (Cistus crispus):

Foto: José Luís Vitorino/FloraOn

5º Olho-de-mocho (Tolpis barbata):

Foto: Javier Martin/WikiCommons

Como participar

Segundo a equipa deste bioblitz, quem quiser juntar-se deve começar por se registar na plataforma BioDiversity4All/iNaturalist e na página do projecto. De seguida, para começar a registar e identificar as plantas que encontrar, deve tirar fotografias de três elementos: flor, folha e também o conjunto da planta.

De seguida, deve registar-se e carregar essas imagens na página da iniciativa. Segundo os organizadores, as fotografias não têm que ser inseridas logo no momento em que a pessoa está em passeio. “É possível fazer o ‘upload’ em casa ou usar a página web da iNaturalist, o que permite o uso de câmaras fotográficas no campo sem serem as do telemóvel.”

A identificação da espécie é feita com o apoio da mesma plataforma, ou então através da ‘app’ com o mesmo nome, que faz uma primeira identificação automática que é depois validada por uma comunidade de especialistas. Neste caso, a Sociedade Portuguesa de Botânica estará particularmente atenta para ajudar com a confirmação das espécies.

Quem tiver curiosidade pode também visitar o catálogo online Flora-On, coordenado pela Sociedade Portuguesa de Botânica, onde estão disponíveis milhares de plantas diferentes de todo o país.

Helena Geraldes

Sou jornalista de Natureza na revista Wilder. Escrevo sobre Ambiente e Biodiversidade desde 1998 e trabalhei nas redacções da revista Fórum Ambiente e do jornal PÚBLICO. Neste último estive 13 anos à frente do site de Ambiente deste diário, o Ecosfera. Em 2015 lancei a Wilder, com as minhas colegas jornalistas Inês Sequeira e Joana Bourgard, para dar voz a quem se dedica a proteger ou a estudar a natureza mas também às espécies raras, ameaçadas ou àquelas de que (quase) ninguém fala. Na verdade, isso é algo que quero fazer desde que ainda em criança vi um documentário de vida selvagem que passava aos domingos na televisão e que me fez decidir o rumo que queria seguir. Já lá vão uns anos, portanto. Desde então tenho-me dedicado a escrever sobre linces, morcegos, abutres, peixes mas também sobre conservacionistas e cidadãos apaixonados pela natureza, que querem fazer parte de uma comunidade. Trabalho todos os dias para que a Wilder seja esse lugar no mundo.