Em Agosto há percursos guiados pelas paisagens menos conhecidas da Serra da Estrela

Início

Organizados pelo Centro de Interpretação da Serra da Estrela (CISE), os percursos pedestres guiados querem mostrar-lhe lagoas naturais, paisagens glaciárias, abrigos de pastores e a biodiversidade característica da Serra.

Os percursos de Verão do CISE realizam-se a 2, 16 e 23 de Agosto e são todos rotas circulares que usam a rede municipal de percursos pedestres ou a rede de percursos do Parque Natural da Serra da Estrela.

Foto: José Conde/CISE

“Os percursos de verão procuram dar a conhecer paisagens que são menos conhecidas e que durante as restantes estações do ano poderão oferecer uma dificuldade de visita acrescida”, explica à Wilder Tiago Correia, do CISE.

De entre os locais visitados destacam-se as paisagens glaciárias do setor superior da serra, as lagoas naturais, aspetos culturais menos conhecidos como os abrigos de pastores ou as arcas do pão e como não poderia deixar de ser, a biodiversidade da serra da Estrela. 

O primeiro dos percursos, a Rota da Canina XL, foi realizado a 2 de Agosto. Mas ainda há dois percursos onde se pode inscrever.

Quedas da Caniça. Foto: José Conde/CISE

A 16 de Agosto poderá fazer o percurso pedestre do Piornal. “Tendo como local de partida a Lagoa Comprida, o percurso pedestre do Piornal percorrerá uma vasta área planáltica, oferecendo a possibilidade de visita a locais raramente visitados. Com cerca de 12 km de extensão, o percurso terá um grau de dificuldade difícil”, descreve Tiago Correia. 

Outra opção é o percurso pedestre dos Poços de Loriga, a 23 de Agosto. Este “terá como ponto de partida a Torre, seguindo em direção aos Poços de Loriga e ao setor superior da Garganta de Loriga. Este percurso terá cerca de 8,2 km de extensão e um grau de dificuldade algo difícil”. 

A duração prevista para a realização destes percursos será de cerca 6-7 horas, prevendo-se inúmeras paragens para interpretação e fruição das paisagens. 

Os percursos serão guiados por técnicos do CISE, que procurarão ao longo do percurso fazer a interpretação do património natural e cultural.

Os percursos são abertos ao público em geral, tendo como limite máximo 15 participantes, com idade superior a 12 anos. 

Lapa dos Dinheiros. Foto: José Conde/CISE

Segundo Tiago Correia, esta iniciativa procura “aumentar a oferta de atividades disponíveis para quem visita a serra da Estrela durante o verão, indo ao encontro de uma crescente procura pelas atividades de natureza”.

Além disso, “pretende-se valorizar o património natural e cultural da serra da Estrela, contribuindo desta forma para a sua preservação e divulgação”.

Com muito para oferecer ao longo de todo o ano, a Serra da Estrela no Verão tem para os visitantes “paisagens de elevado valor cénico”, a que poderá aceder através dos vários percursos pedestres, e praias fluviais enquadradas por paisagens de montanha.

Tiago Correia recomenda, antes de uma visita à serra, a visita ao Centro de Interpretação da Serra da Estrela, onde poderá “ficar a conhecer as exposições patentes, relativas ao património natural deste território, e planear a melhor forma de visitar a serra da Estrela”. 

Aqui tem mais informações e o formulário de inscrição nos percursos de Verão 2023 do CISE.


Descubra mais sobre a natureza na Serra da Estrela:

Cinco espécies de plantas para procurar na Serra da Estrela no Verão.

Fotogaleria de Manteigas no Outono.

Oito maravilhas para procurar no Souto da Lapa dos Dinheiros, na Serra da Estrela.

Helena Geraldes

Sou jornalista de Natureza na revista Wilder. Escrevo sobre Ambiente e Biodiversidade desde 1998 e trabalhei nas redacções da revista Fórum Ambiente e do jornal PÚBLICO. Neste último estive 13 anos à frente do site de Ambiente deste diário, o Ecosfera. Em 2015 lancei a Wilder, com as minhas colegas jornalistas Inês Sequeira e Joana Bourgard, para dar voz a quem se dedica a proteger ou a estudar a natureza mas também às espécies raras, ameaçadas ou àquelas de que (quase) ninguém fala. Na verdade, isso é algo que quero fazer desde que ainda em criança vi um documentário de vida selvagem que passava aos domingos na televisão e que me fez decidir o rumo que queria seguir. Já lá vão uns anos, portanto. Desde então tenho-me dedicado a escrever sobre linces, morcegos, abutres, peixes mas também sobre conservacionistas e cidadãos apaixonados pela natureza, que querem fazer parte de uma comunidade. Trabalho todos os dias para que a Wilder seja esse lugar no mundo.